sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Doce Vampira (presente)

Minha doce vampira
Um mero olhar desgoverna e fascina
Um reles mortal como eu que delira
Toda vez que percebo esse jeito de menina.

Seu beijo mortal eu quero provar
Entrego-me a ti, em sangue e suor
Desejo carnal, vontade de amar
Lascívia e paixão, fundidos num só.

Me leva a loucura a falta de ti
Pergunto-me em silêncio se seria real
A mais bela vampira que um dia eu vi
Fincou em meu peito, paixão tão letal.

Como bússola que aponta pro sul
Acordo suado em uma visão pessimista
Você não esta lá, sobre a seda azul
Apenas um sonho, em que fostes protagonista.

2 comentários:

Pedro disse...

Realmente um belo poema, a musa inspiradora deve ser mais do que simplesmente bela, e sim uma verdadeira doce vampira.

Wesley disse...

=D coisas boas foram feitas para serem lembradas.

Cuide com carinho dessa e de outras lembranças, assim como eu guardo com carinho as minhas.

bjos, eu! =D